O Instituto Mahle  também considera necessário fortalecer o papel da sociedade civil para organizar as formas de mobilização e de viabilização de programas complementares de qualidade.

Segundo Rudolf Steiner, fundador da Antroposofia, convivemos com a fragmentação e o avanço da ciência sem conseguir uma visão de totalidade do ser humano: “muitas são as esferas da vida e para cada uma se desenvolve uma ciência especial. Entretanto, a vida em si mesma forma uma unidade e quanto mais as ciências procuram explorar domínios isolados, mais se afastam da visão do mundo como um todo vivido. Deve existir um saber que procura, nas ciências particulares, os elementos para conduzir o homem à plenitude da vida”.

 Nesse sentido, se propõe a viabilizar programas de ação que contemplem:

  • A viabilização de programas de saúde para famílias apartadas do direito à saúde pública de qualidade;

  • A viabilização de ações de legitimação das medicinas e práticas integrativas e complementares na área da saúde;

  • A definição de estratégias junto ao Ministério de Saúde para elaboração e execução de planos de ação voltados para saúde comunitária;

  • A realização de cursos formativos (extensão ou especialização) e de capacitação em parcerias com o governo em seus níveis municipais, estaduais e federal voltados para a medicina e práticas integrativas e complementares.}

  • O apoio a mulheres gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS);

  • A viabilização de pesquisas para melhorar o desempenho de profissionais da saúde com a qualidade de vida da mulher gestante;

  • A orientação a mulheres gestantes em situação difícil e de risco social no cuidado com a gestação;

  • A viabilização de programas de apoio psicológico para mães adolescentes;

  • A orientação sexual para adolescentes.